Parar de fumar é a melhor prevenção do câncer no pulmão

Recentemente, a apresentadora Ana Maria Braga revelou no ‘Mais Você’ que passou por cirurgia para retirada de um tumor cancerígeno no pulmão esquerdo. É a terceira vez que ela luta contra a doença – antes, a pele e o intestino haviam sido atingidos. Felizmente, o tumor estava em estágio inicial (media 6 milímetros) e as chances de cura são próximas a 100%.

Ana Maria disse que decidiu compartilhar o susto que levou com os telespectadores a fim de alertá-los para os problemas decorrentes do vicio do tabagismo – fumante de longa data, a apresentadora só largou o cigarro quando recebeu o terceiro diagnóstico.

De acordo com o pneumologista Ricardo Meirelles, o fato de Ana Maria ter continuado fumando após dois cânceres pode ter aumentado o risco de a doença se manifestar novamente. Segundo ele, existem 60 substâncias cancerígenas na fumaça do cigarro “Se o paciente continua inalando isso, aumentam os riscos de surgir um novo tumor”, disse o médico, responsável pela Clínica de Tratamento do Tabagismo do Grupo COI (Clinicas Oncológicas Integradas) “Ao receber o tratamento, é importante que o busque apoio para parar de fumar imediatamente”, completa.

Além do câncer, o tabaco esta relacionado a aneurismas, tuberculose, enfisema pulmonar, gastrite, osteoporose e catarata, entre outros problemas. Entender que o tabagismo é uma dependência química, reconhecer quanto à ajuda médica é necessária e conhecer os tratamentos disponíveis é fundamental para parar de fumar. O diagnóstico precoce da doença também permite a alta chance de cura.

Segundo o oncologista Mauro Zukin, diretor técnico do Grupo COI, a tomografia é, hoje, o único exame capaz de detectar o câncer de pulmão “Por isso, há dificuldade de se conseguir um programa amplo de diagnóstico precoce em grandes populações com fatores de risco, que incluem fumantes e ex-tabagistas”, disse Zukin.

Após os 55 anos, o ideal é realizar o exame anualmente, durante três anos seguidos. Se não for constatada alteração, a sequência é interrompida. Por ano, surgem cerca de 30 mil novos casos de câncer no pulmão no Brasil. Em estágio avançado, o câncer de pulmão provoca tosse, dor torácica, falta de ar, emagrecimento e escarro com sangue.

De acordo com o oncologista, é possível definir, pelo menos, 15 subtipos de câncer no pulmão, conforme suas características genéticas “Todo tumor é uma célula que sofreu mutação e passou a se multiplicar desordenadamente, tornando-se maligna. Alguns subtipos têm apenas uma mutação, outros têm várias, o que pode conferir muita agressividade ao tumor, mesmo que ele seja pequeno”explicou Zukin.

Fonte: Jornal Extra

Mais de 90% dos casos de câncer de pulmão estão associados ao tabagismo e a mortalidade é maior paraaqueles que continuam fumando. Não há um número mínimo de cigarros consumidos ao dia considerado seguro! Vale lembrar ainda dos chamados fumantes passivos, ou seja, pessoas expostas à fumaça do cigarro, que também estão sujeitas a desenvolver a doença. Portanto, a primeira medida a ser tomada para prevenir o câncer de pulmão é parar de fumar. Adotar hábitos saudáveis – alimentação balanceada, a prática de atividades físicas, o gerenciamento do estresse – é importante como aliado da prevenção desta doença.

Dicas para se proteger do câncer – Clique aqui