Alzheimer: como amenizar os efeitos da doença

A memória vai enfraquecendo, e o raciocínio já não é mais o mesmo. Fatores que para muita gente são características normais do envelhecimento são também os sintomas iniciais de uma das doenças mais comuns entre idosos no mundo todo. Comemorado hoje, o Dia Mundial da Conscientização sobre a Doença de Alzheimer traz à discussão o tema que ocorre em aproximadamente 60% dos casos de demência entre idosos.

O Alzheimer é uma doença degenerativa do cérebro que leva à perda progressiva de memória, especialmente a recente. O brasileiro com Alzheimer leva mais de três anos para obter o diagnóstico, já que seus sintomas são associados ao processo natural de envelhecimento. Estima-se que cerca de 35,6 milhões de idosos sofrem com o mal em todo o mundo, 1,2 milhão apenas no Brasil. O estilo de vida é determinante para a doença: entre os fatores de risco, estão obesidade, diabetes, hipertensão, sedentarismo e tabagismo.

Pouca gente sabe, mas é possível retardar e proteger a mente contra o mal de Alzheimer através de exercícios que estimulam o cérebro. A manutenção das atividades intelectuais e sociais, assim como o nível de escolaridade, reduzem os riscos de ter a doença. “As atividades físicas aeróbicas, a cafeína, a leitura, o pensamento positivo e uma boa noite de sono são pequenas atitudes que podem contribuir para prevenir a doença”, afirma Leonardo Souza, médico formado pela UFF e pós-graduado em Ciências da Fisiologia Humana.

8 atividades estimulantes para o cérebro que podem ajudar a afastar a doença:

1. Jogos de raciocínio e estímulo à memória, como xadrez, sudoku e palavras-cruzadas.

2. Ler revistas e jornais diariamente e manter-se atualizado com os acontecimentos do mundo.

3. Aprender a tocar um instrumento, desenhar e pintar.

4. Exercitar a atenção. É possível treinar esta função com atitudes simples, como observar os detalhes de objetos pela casa.

5. Fazer caminhos diferentes para ir a lugares habituais, como o local de trabalho. Traçar novas rotas é estimulante, pois nos obriga a sair do “modo automático”.

6. Manter uma dieta equilibrada. A atitude colabora para a perda de peso e ganho de memória, dois fatores importantes para a prevenção do Alzheimer. Alimentos com vitaminas B12, tiamina, ácido fólico e ômega-3 ajudam na memorização. Frutas com alto índice de antioxidantes também colaboram.

7. Praticar exercícios regularmente. Uma caminhada pela manhã ajuda a manter a saúde mental, além de contribuir para o combate à hipertensão, que é um fator de risco para o mal de Alzheimer.

8. Manter o bom humor e fugir do estresse, já que a depressão é um dos grandes vilões da doença.

Fontes: O Dia; Bolsa da Mulher